VIGÉSIMO SÉTIMO DOMINGO DO TEMPO COMUM – Ano B


Caros irmãos, no evangelho deste vigésimo sexto domingo do Tempo Comum, Ano B, Jesus responde aos fariseus sobre o casamento (cf. Mc 10,2-16). Rezemos pedindo ao Senhor que sustente com Sua Graça a todos os casais unidos pelo sacramento do matrimônio e dê a todos a perseverança na busca por corresponder ao Seu divino Amor.

Notemos, antes de tudo, que a unicidade e indissolubilidade do casamento já estavam fora de moda no tempo de Jesus: os fariseus tocam no assunto para o provar (cf. Mc 10,2). Não se trata, portanto, de uma questão de que os tempos mudaram, mas da dureza do nosso coração (cf. Mc 10,5). De fato, se continuarmos de modo egoísta tentado driblar a cruz, nunca seremos capazes de amar verdadeiramente e, assim, jamais suportaremos a ideia do matrimônio monogâmico e indissolúvel, coluna mestra da família: seremos capazes apenas de buscar a nossa satisfação imediata e atual, usaremos e descartaremos pessoas como se fossem objetos e inevitavelmente nos frustraremos em busca de algo que não existe, o paraíso terrestre.

Mas o Senhor elevou o casamento à condição de sacramento e, assim, deu aos esposos a Graça que lhes é necessária para viver bem o matrimônio: amando fielmente o cônjuge como a própria carne, colaborando na obra da criação através da geração e educação dos filhos num caminho que culmina na vida eterna. Dessa forma, ao invés de rejeitar o alto ideal do matrimônio cristão para acomodar-nos à dureza do nosso coração, abramo-nos ao Senhor e rezemos pela nossa conversão pessoal – que Ele tire do nosso peito o coração de pedra e nos dê um coração de carne (cf. Ez 36,26). Oremos ainda pela perseverança de todos os casais unidos em matrimônio e por todos aqueles que vivendo numa condição de fragilidade ou imperfeição para que não desistam jamais de seguir Jesus Cristo, nosso Salvador.

Ó Pai dá-nos o Espírito Santo para que, unidos ao Teu Filho Jesus Cristo, nos tornemos capazes de fazer a Tua vontade! Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa, amparai-nos em nossas necessidades! São José, nosso protetor, dá-nos coragem para seguir Jesus.

Sub tuum præsidium confugimus. sancta Dei Genitrix: nostras deprecationes ne despicias in necessitatibus: sed a periculis cunctis libera nos semper, Virgo gloriosa et benedicta.


Leituras recomendadas:

S. João Paulo II, Familiaris consortio e os ciclos das catequeses sobre o amor humano, conhecidas sob o nome de teologia do corpo.

Papa Francisco, Amoris laetitia.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo